Blog


view:  full / summary

Coma Azeitona!

Posted by Hermes on November 26, 2010 at 12:31 PM Comments comments (1)





ESSE Pequeno Fruto e Um Estoque de Benefícios Corpo Seu par. Na Certa quantidade, VOCÊ engorda nao Saúde e Ganha!

Faz BEM, PORQUE ...

Gordura Possui ômega-3, insaturada Que auxilia nd redução do colesterol ruim (LDL) - ISSO Diminui Riscos de Doenças cardiovasculares. "Also Azeitona e Farta Antioxidantes em, contribui com uma saciedade EO funcionamento do intestino", Explica Valéria Goulart, médica e MEMBRO da Associação Brasileira de Nutrologia. Mais: o Fruto Carrega Vitaminas A, D, K, E e fitosteróis, inibem Que celular o Envelhecimento.

Repeat comer

Benefícios ter Pará, No Mínimo, 25 g (de 5 a 7 Azeitonas) dia por. Segundo Estudo Publicado NA revista Diabets Care (EUA), ESSA Porcão nao Gera pneus - um Gordura insaturada Dela se Distribui Organismo não, nao parágrafo não abdome. LEMBRE-SE: das 2 mil calorias Que VOCÊ Precisa Consumir Por dia, de 15% a 20% devem vir de Gordura insaturada.

Viol?ncia nos ?ltimos dias

Posted by Hermes on November 26, 2010 at 11:13 AM Comments comments (0)

                                                                                                                                                                                               Não somos agora capazes de descrever acuradamente as cenas a serem representadas em nosso mundo no futuro; isto, porém, sabemos: que este é um tempo em que precisamos velar em oração; pois o grande dia do Senhor está às portas. Mensagens Escolhidas, vol. 2, pág. 35.

Atos de Violência

Nos dias de Noé a esmagadora maioria se opunha à verdade, e se apaixonara por um conjunto de falsidades. A Terra estava cheia de violência. A guerra, o crime e o homicídio eram a ordem do dia. Assim será também antes da segunda vinda de Cristo. The Seventh-day Adventist Bible Commentary, vol. 1, pág. 1.090.

Mais e mais claro está se tornando que os habitantes do mundo não estão em harmonia com Deus. Nenhuma teoria científica pode explicar a firme marcha de obreiros iníquos sob o comando de Satanás. Em toda multidão, anjos ímpios estão em operação, instando homens a cometer atos de violência. …

A perversidade e crueldade dos homens alcançarão tal atitude que Deus Se revelará em Sua majestade. Muito em breve a impiedade do mundo terá atingido seu limite e, como nos dias de Noé, Deus derramará os Seus juízos. Olhando Para o Alto (Meditações Matinais, 1983), pág. 328.

Os terríveis relatos que ouvimos de homicídios e roubos, de acidentes ferroviários e atos de violência, declaram que o fim de todas as coisas está próximo. Agora, agora mesmo, precisamos estar nos preparando para a segunda vinda do Senhor. Carta 308, 1907.

Foi-me mostrado que o Espírito do Senhor está-Se retirando da Terra. O poder mantenedor de Deus logo será recusado a todos os que continuam desrespeitando os Seus mandamentos. Os relatos de transações fraudulentas, homicídios e crimes de toda a espécie chegam até nós diariamente. A iniqüidade está-se tornando uma coisa tão comum que não ofende mais as suscetibilidades como em tempos passados. Carta 258, 1907.

Em todo o mundo, as cidades estão se tornando viveiros de vícios. Por toda parte se vê e ouve o que é mau, e encontram-se estimulantes à sensualidade e ao desregramento. Avoluma-se incessantemente a onda da corrupção e do crime. Cada dia oferece um registro de violência: roubos, assassínios, suicídios e crimes inomináveis.

Tempos Turbulentos que Ocorrerão em Breve

O tempo de angústia, que há de aumentar até o fim, está muito próximo. Não temos tempo a perder. O mundo está agitado com o espírito de guerra. As profecias do capítulo onze de Daniel quase atingiram o seu cumprimento final. Review and Herald, 24 de novembro de 1904.

O tempo de angústia – angústia qual nunca houve, desde que houve nação (Dan. 12:1) – está precisamente sobre nós, e somos semelhantes às virgens adormecidas. Devemos acordar e pedir que o Senhor Jesus ponha debaixo de nós os Seus braços eternos e nos conduza durante o tempo de provação à nossa frente. Manuscript Releases, vol. 3, pág. 305.

O mundo está-se tornando cada vez mais iníquo. Em breve surgirá grande perturbação entre as nações – perturbação que não cessará até que Jesus venha. Review and Herald, 11 de fevereiro de 1904.

Estamos mesmo no limiar do tempo de angústia, e acham-se diante de nós perplexidades com que dificilmente sonhamos. Testemunhos Seletos, vol. 3, pág. 306.

Estamos no limiar da crise dos séculos. Em rápida sucessão os juízos de Deus se seguirão uns aos outros – fogo, inundações e terremotos, com guerras e derramamento de sangue. Profetas e Reis, pág. 278.

Há perante nós tempos tempestuosos, mas não pronunciemos uma só palavra de incredulidade ou desânimo. Serviço Cristão, pág. 136.

Na grande obra de finalização nos defrontaremos com perplexidades que não saberemos contornar, mas não nos esqueçamos de que as três grandes potestades do Céu estão atuando, que a divina mão está posta ao leme, e Deus fará cumprir os Seus desígnios. Evangelismo, pág. 65.








Gaither Vocal Band no IAP

Posted by Hermes on November 16, 2010 at 6:08 PM Comments comments (0)

 

gaither1

O grupo vocal gospel mais conhecido do mundo, The Gaither Vocal Band fará uma tournê pelo Brasil em 2011. Serão quatro apresentações no Brasil.

 

O IAP será o local da apresentação no Paraná. A data já está confirmada: 03/04 no fim de tarde. Os outros locais ainda não foram confirmados. Mais informações sobre a tournê do Gaither no Brasil, os valores e quantidade de ingressos estarão disponíveis em breve em nosso site.

 

The Gaither Vocal Band é um grupo vocal norte-americano de música gospel, em contínua atividade desde 1981. Desde seu primeiro álbum, o grupo trabalhou sempre como quarteto masculino (baixo, barítono, segundo tenor e primeiro tenor), porém desde o início de 2009, o grupo passou a contar com mais uma voz (outro primeiro tenor), passando a ser então um quinteto. A formação atual do GVB é composta por Bill Gaither, David Phelps, Mark Lowry, Michael English e Wes Hampton.

 

 


gaither2

"Deus está acima de qualquer coisa aqui", diz Bill Gaither a respeito da atual formação do grupo. "Eu continuo a ficar impressionado com as formas extraordinárias com que Ele comunica o poder do Evangelho, não apenas através de nossa música, mas através de nossas vidas. As simples mensagens que eu escrevi lá no início da carreira sobre um jovem músico visionário, para mim, são mais verdadeiras hoje do que nunca antes… e isso com certeza é muito mais do que apenas a música."

 

O GVB recebeu inúmeras premiações dos mais diversos representantes da música em todo o mundo. Dentre os que mais se destacam estão dois Grammys e treze prêmios Dove da Gospel Music Association. Em 2010 concorre ao Prêmio Dove na categoria Grupo do Ano.

 

Bill Gaither, juntamente com sua esposa Glória, são os compositores dos conhecidos hinos “O Rei Vem Vindo” e “Porque Ele Vive” do Hinário Adventista.


Voc? conhece Anam Caram?

Posted by Hermes on November 16, 2010 at 6:00 PM Comments comments (0)

 

Sim, pra mim esse nome também não é estranho. Para os mais antigos e/ou os que curtem o estilo MPB, já devem ter ouvido várias canções dessa cantora que fez sucesso em todo o mundo cantando músicas seculares. Ana, de 52 anos, já rodou o mundo cantando sobre coisas passageiras, mas hoje canta a esperança eterna! Sim, nós temos nosso "milagre" como prova de que Deus resgata Seus filhos amados onde eles estiverem. Segundo sua biografia, a cantora fazia sucesso, tinha uma carreira consolidada, era reconhecida por onde passava por sua arte... mas em seu coração havia um vazio e constantemente "brigava" com Deus querendo respostas. Num belo dia, foi convidada a fazer parte de um grupo de estudo da Bíblia e, mesmo que relutante inicialmente, aceitou. Assim, Ana Caram, a voz da MPB, cedeu lugar ao Deus Eterno! Aceitou a Cristo como seu Salvador e hoje canta em igrejas e eventos sobre sua esperança. Ana lançou seu CD gospel em 2005 com título de "Pura Luz", o primeiro, desse estilo, de sua carreira que agora é um ministério. Recentemente lançou seu novo álbum, produzido pelo maestro Jader Santos e por Ana com título "Pensava em Você", com uma sonoridade pendendo à MPB, que já é um pouco do estilo de Jader e de Ana, muita voz (suave e melodiosa, diga-se de passagem) e violão. Traz músicas bem clássicas da igreja e boa parte já bem conhecidas. Infelizmente, ela não é muito divulgada no meio por ter um estilo mais clássico, mas é, com certeza uma pedra preciosa da música adventista, tanto por sua experiência, quanto por sua história.

Muitos podem dizer: "Ah! Ela virou crente porque estava sem sucesso e sem grana!". Não, Ana Caram se tornou Adventista do 7º Dia quando ainda fazia sucesso pelo mundo (não tanto no Brasil pois gravou muito em Nova York e no Japão).

 

Uma história interessante e bonita de se contar! Deus seja louvado a cada dia por transformações como essa! Acesse o site de Ana Caram e veja na íntegra sua biografia, testemunho, discografia (completa!), ouça músicas do lançamento "Pensando em Você"!


 

www.anacaram.com.br

 


A ci?ncia comprova as vantagens da medita??o

Posted by Hermes on November 12, 2010 at 11:33 AM Comments comments (0)

 


Milhões de pessoas começam o dia orando e meditando e sentem que isso faz bem ao cérebro. Parece que quando nos levantamos e imediatamente iniciamos nossa correria, a vida perde sua cor e sabor.

Segundo a Scientific American, acontecem coisas muito especiais em nossa mente durante o momento da meditação, tais como: aquieta regiões normalmente vigilantes; aguça os centros pensantes; promove sensação de centramento, calma e lucidez que permanecerá ao longo de todo o dia (“24 Horas na vida do seu cérebro”, Scientific American Brasil, páginas, 43-44).

Observe o que a ciência tem a nos dizer sobre a meditação: “Os estudos de imagens cerebrais mostram que a prática da meditação pode, a logo prazo, alterar a estrutura do cérebro, espessando o córtex, mudando o tipo e o ritmo das ondas cerebrais e apurando nossa capacidade de concentração. Meditar também reduz a ansiedade, a pressão sanguínea e o estresse (“24 Horas na vida do seu cérebro”, Scientific American Brasil, páginas, 44).”

É maravilhoso contemplarmos a ciência comprovando, ainda que inconscientemente, a eficácia daquilo que Jesus prescreveu para os seus seguidores: “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6:33).

Buscar o reino de Deus compreende emprenhar-se na prática da meditação, de preferência na primeira hora de cada dia e com a Bíblia na mão. Assim, a mente recebe fortalecimento emocional, espiritual e físico. A ansiedade é controlada e adquire-se força e vigor. O fortalecimento das faculdades emocionais dependem, em grande parte, da harmonia com o Criador. Além de todos os benefícios, existe um que se destaca – na minha opinião. Trata-se da correção do senso de valor próprio que acontece naturalmente no processo da meditação.

Como você pode perceber a meditação em Deus é algo vital para o homem. Deus criou ou ser humano para relacionar-se com Ele e a meditação é a melhor oportunidade para garantir essa oportunidade.

Quando Jesus indicou a meditação, em Mateus 6:33, Ele estava revelando o remédio perfeito para curar a ansiedade. Sim, a meditação em Deus é o tratamento mais eficaz para a alma.

Veja as conseqüências do estresse no cérebro, segunda a Scientific American:

- Mata as células cerebrais recém-formadas;

- Contribui para a depressão (e praticamente todas as doenças orgânicas);

- Aumenta a sua vulnerabilidade à doença de Alzheimer a à demência;

- Inibe a formação de memórias no hipocampo;

- Danifica o córtex pré-frontal, encarregado das funções executivas que nos ajudam a raciocinar, estabelecer objetivos e tomar decisões;

- Dificulta funções relacionadas à memória, como a participação em testes;

- Estabelece um sistema de ansiedade generalizada.

Enfim, use a Bíblia para meditar e orar e sua mente ficará física, emocional e espiritualmente preparada para os embates desta vida.

Manassés Queiroz

Fonte: alcanceopoder.com.br


Diferen?a Entre Tristeza Normal e Depress?o

Posted by Hermes on October 30, 2010 at 6:18 AM Comments comments (0)

 

Qual a diferença entre tristeza e depressão? Como saber se o que a pessoa tem é tristeza normal somente ou se é depressão? O tratamento é diferente?

A perda de um ente querido por morte, reprovação em um concurso muito esperado, rompimento de um relacionamento afetivo, demissão de um emprego, são experiências que deixam a pessoa triste, uma tristeza normal, que pode durar poucos dias ou semanas (dependendo do vínculo que a pessoa tinha com a outra, do tipo de personalidade dela, do significado emocional da perda, etc.), sem precisar remédio ou tratamento.


Se a pessoa demora a recuperar-se da tristeza, se sua produtividade cai muito, se começa a pensar só negativo, vindo frequentemente à cabeça idéias de morte, se perde a energia para trabalhar, se fica desinteressada por coisas que davam prazer, então ela precisa de um profissional para atendimento psicoterápico e avaliação da necessidade ou não de antidepressivo, devendo ser inicialmente um médico psiquiatra. Ele mesmo pode fazer o acompanhamento psicoterápico e medicamentoso, ou pode assumir somente o tratamento farmacológico e encaminhar a pessoa para uma terapia com um psicólogo clínico.

Se há na família desta pessoa caso(s) de suicídio e depressão, e se ela tem idéias suicidas, se já tentou suicidio no passado, ela precisa de atendimento urgente com profissional psiquiatra.


O tratamento da pessoa com tristeza temporária não envolve um profissional ou medicamentos, apenas, apoio, empatia, “dar um colo”, ouvi-la, confortá-la, e o tempo resolve. Se a pessoa está desenvolvendo um quadro depressivo (a tristeza não passa mesmo após vários meses do evento doloroso e ela cai em desânimo forte, tende a isolar dos outros, além dos sintomas acima), precisará da ajuda profissional para aprender a lidar com a dor de maneira construtiva, administrar os pensamentos para que eles não fiquem envenenando sua mente e se afundando mais ainda por nutrir idéias ruins, negativos, de desesperança.


O profissional procurará entender que tipo de personalidade é esta pessoa, o quanto ela está afetada pelas perdas sofridas, se teve depressão no passado, se é uma pessoa ativa ou passiva, se cultiva normalmente pensamentos positivos ou negativos, ou se sempre foi alguém melancólico que demora em meditações tristes, etc. Dependendo deste perfil, a pessoa poderá precisar de medicamentos antidepressivos por uns poucos meses além do apoio psicoterápico. A internação hospitalar só justifica se a pessoa estiver tão deprimida que não se alimenta, não sai da cama, não quer tomar banho, e tem idéias suicidas sérias no sentido de estar pensando acabar com a sua vida. Mas se ele consegue trabalhar, não pensa em suicídio, embora esteja triste e mais lento do que o normal, pode ser que baste o apoio psicoterápico sem precisar de medicação.


Existe a depressão leve, moderada e grave. A leve pode ser tratada em muitos casos só com terapia psicológica. A moderada e a grave necessitam de algum apoio medicamentoso por um tempo, talvez 3 meses, ou 6 meses, dependendo de várias coisas. A depressão grave pode ocorrer com uma perturbação grave da percepção da realidade, ou seja, além de deprimir a pessoa pode apresentar também sintomas psicóticos, como alucinação, delírios, desorientação no tempo, no espaço e quanto a si mesma, e requer medicamentos específicos contra os sintomas psicóticos, além do antidepressivo.


O Hipérico (Hypericum perforatum) é um fitoterápico (planta medicinal) que produz bons resultados em pessoas com depressão leve, melhor naquelas que nunca usaram medicamentos psiquiátricos. É também conhecido como Erva de São João, mas cuidado porque há Erva de São João que não é o hipérico. A dose usual para pessoas com depressão leve é uma cápsula de 300mg 3 vezes ao dia, podendo aumentar para 4 ao dia após 3 semanas se não melhorar.


Entretanto, é importante lembrar que qualquer medicamentos antidepressivo não muda a forma da pessoa pensar e nem produz automaticamente a resolução construtiva da dor pelas perdas afetivas, o que envolverá extravasamento da dor, apoio, compreensão, chorar, sentir a dor, parar com os pensamentos destrutivos e desenvolver esperança. E também lembre-se de que os mesmos medicamentos produzem resultados diferentes para pessoas diferentes.


Escrito por Dr. Cesar Vasconcellos de Souza

 

1844: coincid?ncia ou provid?ncia?

Posted by Hermes on October 23, 2010 at 5:57 AM Comments comments (0)

 

Foram os eventos ocorridos no ano de 1844 apenas um acidente? Ou tem esse ano um significado mais profundo na compreensão bíblica do plano de Deus na história da redenção? Como adventistas do sétimo dia, deveríamos aceitar a segunda posição. Para nós, 1844 é o ano em que terminou a profecia dos 2300 dias de Daniel 8:14, o marco que assinala o início do julgamento pré-advento no céu, e a culminação do mais longo período profético da Bíblia, proclamando ao mundo que o fim não vai demorar e que a segunda vinda de Jesus está próxima.

O que muitos não sabem, inclusive entre os adventistas, é que 1844 é importante não apenas em relação à história sagrada, mas também em relação a outros eventos mundiais de grande magnitude que fazem desse ano uma espécie de divisor de águas. Antes, porém, vamos traçar a importância de 1844 para a Igreja Adventista do Sétimo Dia.

De um grande erro a uma poderosa mensagem

Por volta de 1840, muitos pregadores pelo mundo estavam proclamando que Jesus estava para voltar. O pesquisador Le Roy Edwin Froom indica que entre esses pregadores, de várias denominações cristãs, havia brancos, negros, mulheres e até mesmo crianças. Houve uma garota do campo na Europa que atraiu de três a quatro mil pessoas ao pregar sobre o fim do mundo. Grande foi o impacto que ela exerceu na vida de muitos.1

Nos Estados Unidos, foi a pregação e os escritos de Guilherme Miller, um fazendeiro que se tornou pregador, que despertou a paixão tanto de crentes quando de descrentes. Miller e seus associados proclamavam a seguinte mensagem: “Assim como o primeiro advento de Jesus Cristo foi predito em Daniel 9, Seu segundo advento é identificado em Daniel 8:14. Visto que a terra deve ser o ‘santuário’ a ser ‘purificado’, isso vai acontecer por meio do fogo quando Jesus voltar. Começando com 457 a.C., a profecia dos 2300 dias/anos de Daniel 8:14 culminará ao redor de 1843-1844. Jesus virá outra vez por volta desse tempo. Portanto, prepare-se para encontrá-Lo! Sua volta será um evento literal e visível que precederá o milênio.” Essa era a essência da proclamação milerita.

Vinte e dois de outubro de 1844 foi finalmente estabelecido como o dia em que a profecia terminaria. Aquele era o dia em que a terra seria purificada pelo retorno de Jesus. Milhares de mileritas, vários milhares, aguardaram pacientemente, fervorosamente, até que o dia chegou. Então eles esperaram o dia inteiro, mas Jesus não veio, deixando-os profundamente desapontados. Eles foram forçados a admitir que alguma coisa havia saído errado.

Uns poucos dentre os desapontados estudaram as Escrituras ainda com mais fervor. Não demorou para que aprendessem que embora a data de 22 de outubro de 1844 estivesse correta, o evento estava errado. Esses crentes entenderam que o santuário a ser purificado não estava na terra, mas no céu. Jesus havia entrado no santo dos santos do santuário celestial para dar início a Sua obra de julgamento. Como Ellen White mais tarde declarou: “O assunto do santuário foi a chave que desvendou o mistério do desapontamento de 1844.”2

Ángel Manuel Rodríguez comenta: “Tendo completado na terra a obra para a qual viera (João 17:4, 5; 19:30), Cristo ‘foi elevado ao céu’ (Atos 1:11) para ‘salvar definitivamente aqueles que, por meio dEle, aproximam-se de Deus, pois vive sempre para interceder por eles’ (Hebreus 7:25), até que em Sua segunda vinda Ele vai aparecer ‘não para tirar o pecado, mas para trazer salvação aos que O aguardam’ (Hebreus 9:28 ). Entre esses dois pólos, a cruz e o glorioso retorno do Senhor, Cristo atua como sacerdote real ‘no santuário, no verdadeiro tabernáculo que o Senhor erigiu, e não o homem’ (Hebreus 8:2), o advogado (I João 2:1) e intercessor daqueles que nEle crêem (Romanos 8:34). Como nosso Sumo Sacerdote, Cristo está ministrando os benefícios de Seu sacrifício àqueles que vêm a Ele, um ministério tão essencial à nossa salvação como Sua morte substitutiva.”3

Assim, o grande desapontamento de 22 de outubro de 1844 se tornou uma poderosa mensagem. É verdade que Jesus não veio como os mileritas pensavam. Mas, um pequeno grupo de crentes desapontados descobriram nova luz bíblica – a verdade de que Cristo entrou na fase final de Seu ministério sumo-sacerdotal no santuário celestial, após o qual Ele vai finalmente voltar para redimir Seu povo. Assim nasceu a Igreja Adventista do Sétimo Dia, com sua fé firmemente ancorada no breve retorno de Jesus e com o compromisso de pregar toda a verdade em Jesus. O ano de 1844 é, de fato, importante para o nascimento do adventismo.

Mas, 1844 é de interesse em outras áreas também. Movimentos surpreendentes e destrutivos à fé surgiram no panorama mundial na mesma época, formando um cenário de desafio e urgência para a proclamação adventista, e chamando os habitantes do mundo a olhar para a genuína verdade acerca de Deus e Seu papel no final da história humana. Examinaremos três desses movimentos.

O surgimento do marxismo

Em agosto de 1844, Frederick Engels se encontrou com Karl Marx em Paris e eles se tornaram parceiros numa luta revolucionária – “um relacionamento duradouro que iria mudar o mundo”, como disse alguém.4

Enquanto os cristãos que acreditavam na Bíblia pregavam que Jesus logo iria voltar para levar Seu povo para o céu e pôr fim ao pecado e sofrimento e prover paz e felicidade eternas, Marx e Engels estavam proclamando que o caminho para a verdadeira felicidade era eliminar Deus da vida; que o caminho para a paz e segurança era através dos princípios do socialismo e comunismo; que eles podiam e haveriam de libertar os cativos do mundo e promover uma sociedade harmoniosa e sem divisão de classes na terra.5 Marx e Engels, portanto, tentaram direcionar a esperança humana para longe da segunda vinda de Cristo, para uma utopia comunista sob a qual milhões foram subjugados na maior parte do século passado.

No contexto desse desafio, o movimento do advento de 1844 foi conclamado a proclamar o evangelho eterno do santuário celestial onde todas as nossas esperanças devem estar ancoradas.

Dispensacionalismo e falsas noções de salvação

Enquanto o grande despertar do segundo advento estava se alastrando por muitos países, um pregador evangélico europeu itinerante chamado John Nelson Darby começava a disseminar uma nova teoria acerca da segunda vinda de Jesus. Enquanto pregava na Suíça, Darby desenvolveu a teoria do “dispensacionalismo” – uma teoria que divide a história em sete eras ou dispensações, desde a era da inocência antes da queda à era da restauração no fim dos tempos. Embora Darby insistisse que havia extraído sua doutrina do dispensacionalismo da Bíblia somente, entre 1843 e 1845 ele introduziu uma surpreendente inovação – o arrebatamento secreto.6 A teoria do arrebatamento secreto ensina que Cristo virá em segredo, arrebatará os santos e os levará para o céu.

Um comentário moderno desse arrebatamento secreto é a agora famosa série de livros Deixados para Trás, da qual mais de sessenta milhões de cópias já foram vendidas em todo o mundo. Os autores desses livros populares argumentam que embora milhões serão deixados para trás durante o arrebatamento, eles não serão deixados sem esperança. Eles terão uma segunda chance de salvação. Tim LaHaye e Jerry Jenkins, dois autores da série Deixados para Trás, promovem diretamente a teoria da “segunda chance”:

“Milhões de homens, mulheres, meninas e meninos vão reconhecer que, embora eles perderam o arrebatamento e assim terão de enfrentar os terrores da tribulação, Deus ainda os chama, anelando por vê-los ao Seu lado… Nós cremos que esses ‘santos da tribulação’ podem muito bem ser contados aos bilhões. E não se esqueça: cada um desses novos crentes terá sido deixado para trás depois do arrebatamento precisamente porque ele ou ela tinha (até aquele ponto) rejeitado a oferta de salvação de Deus. Mas, mesmo então, o Senhor não desistirá dele.”7

Essa é a parte mais alarmante e perigosa da teoria do arrebatamento – a crença de que pessoas terão uma segunda chance de salvação. A Bíblia, porém, em nenhum lugar ensina o arrebatamento secreto e muito menos uma segunda chance de salvação após a morte. O ensino consistente da Escritura é que o segundo advento de Jesus vai ocorrer apenas como um único grande evento: ele será pessoal e literal (Atos 1:11), visível e audível (Apocalipse 1:7; I Tessalonicenses 4:16), glorioso e triunfante (Mateus 24:30), cataclísmico (Daniel 2:44; 2 Pedro 3:10) e repentino (Mateus 24:38, 39, 42-44). Vários sinais, alguns dos quais inclusive já ocorreram, hão de preceder esse evento, no mundo natural (Apocalipse 6:12-13), no mundo moral com o aumento da ilegalidade e corações saturados do pecado (Mateus 24:37-39), e no mundo religioso com falsos profetas enganando a muitos (vs. 24).

Quando todos os sinais que apontam para o segundo advento tiverem sido cumpridos, então Jesus voltará – para reunir Seu povo, para ressuscitar os justos mortos, para transformar e receber todos os santos, para destruir os poderes maus e perversos, para vindicar o caráter de Deus, para restaurar a terra e para restabelecer a comunhão com Deus! A linguagem bíblica acerca da segunda vinda não dá margem para um arrebatamento secreto.

As Escrituras também não falam de uma segunda chance de salvação após a morte. A posição bíblica é clara: depois da morte, não há nenhuma possibilidade de uma segunda chance; existe apenas um julgamento. “O homem está destinado a morrer uma só vez e depois disso enfrentar o juízo” (Hebreus 9:27 – NVI).

Porém, quão sinistra e quão sutil é a teoria do arrebatamento. Definitivamente, trata-se de um atentado ao cristianismo, um assalto à preciosa doutrina da salvação e da segunda vinda de Cristo.8

Seria apenas um acidente Deus ter escolhido o movimento do advento em 1844, para proclamar as genuínas verdades da segunda vinda e do juízo, mais ou menos na mesma época em que tais doutrinas enganadoras, como o arrebatamento secreto e o dispensacionalismo, entraram em cena no mundo?

Darwin e o surgimento da evolução naturalística

Depois de cinco anos de uma viagem científica a bordo do navio HMS Beagle, Charles Darwin voltou para casa na Inglaterra em 1836. A viagem o levou a “pensar muito acerca da religião” e ele começou a “descrer no cristianismo como uma revelação divina”.9 Mais tarde, Darwin declarou: “Em junho de 1842, eu primeiro tive a satisfação de escrever um breve resumo da minha teoria [da evolução] a lápis em 35 páginas; esse resumo foi ampliado no verão de 1844 para 230 páginas.” Assim começou A Origem das Espécies de Darwin, um livro que revolucionou o pensamento científico e marcou o início da negação do relato bíblico da criação.

Todavia, naquele mesmo ano de 1844, Deus estava trazendo à luz uma verdade bíblica por muito tempo negligenciada: o sábado, que celebra Deus como o Criador. Uma denominação relativamente pequena, os Batistas do Sétimo Dia da América do Norte, haviam se preocupado bastante em 1843 com a ameaça da recente legislação quanto ao domingo, que poderia afetar suas liberdades. Assim, eles se dedicaram a orar e a se envolver mais ativamente em favor do sábado do sétimo dia, separando um dia em 1843 e, mais tarde, outro em 1844 para jejum e oração, para que Deus Se “levantasse e defendesse Seu santo sábado”.

No inverno de 1844, uma senhora chamada Rachel Oakes, uma batista do sétimo dia de Nova Iorque, estava visitando a filha em New Hampshire. Lá, ela visitou a Igreja Cristã Washington, onde um serviço de comunhão estava sendo ministrado por Frederick Wheeler, um ministro metodista que havia aceitado a mensagem milerita. A Sra. Oakes ficou surpresa ao ouvir Wheeler dizer: “Todo aquele que confessar comunhão com Cristo numa cerimônia como esta deveria estar disposto a obedecer a Deus e guardar Seus mandamentos em todas as coisas.” Quando o Pr. Wheeler visitou a família Oakes pouco tempo depois, a Sra. Oakes lhe disse que ela quase se levantara aquele dia na igreja para lhe dizer que seria melhor para ele não participar da cerimônia enquanto ele mesmo não estivesse disposto a guardar todos os mandamentos de Deus, incluindo o sábado.”

Ao voltar para casa, Frederick Wheeler estudou sinceramente sua Bíblia, e algumas semanas depois, aceitou o ensino bíblico acerca da santidade do sétimo dia, o sábado, e pregou seu primeiro sermão sobre o assunto em março de 1844. Muitos membros de sua igreja abraçaram a verdade do sábado. Das sessenta ou mais pessoas daquela vizinhança que experimentaram o grande desapontamento de 1844, umas quarenta aceitaram a doutrina do sábado e mais tarde se tornaram membros da primeira igreja adventista a guardar o sábado.

Outro pregador milerita, um batista chamado Thomas Preble, ouviu que a mensagem do sábado estava sendo pregada em New Hampshire, e decidiu investigá-la. Ele também, em agosto de 1844, abraçou a verdade do sábado. Cerca de quatro meses após o grande desapontamento, Preble escreveu um artigo acerca do sábado no periódico milerita The Hope of Israel. José Bates, um capitão de navio aposentado, leu-a e não só aceitou o sábado como também passou a publicar uma série de artigos sobre o assunto. Desse tempo em diante, José Bates, um dos fundadores da Igreja Adventista do Sétimo Dia, tornou-se um líder na proclamação da mensagem do sábado. Como se sabe, a questão do sábado era tão importante que se tornou parte do próprio nome da Igreja Adventista do Sétimo Dia. Ellen White falou diretamente da importância do sábado em destacar um Deus-Criador. “A suposição infiel de que os eventos da primeira semana requereram sete períodos de tempo vastos e indefinidos para que se completassem atinge o sábado do quarto mandamento diretamente em sua base.”10

Seria mera coincidência Deus ter levantado uma igreja, para que pregasse a verdade do sábado e o poder criador divino, ao mesmo tempo em que Darwin escreveu sua teoria evolucionária negando a atividade criadora de Deus? A mensagem dos três anjos de Apocalipse 14 e o compromisso adventista de proclamá-la seriamente, como a advertência final de Deus ao mundo, não são mero acaso. Na verdade, são parte do plano de Deus para o fim dos tempos.

O cientista adventista Ariel Roth comenta o seguinte desafio: “Nossa confiança de que a Bíblia é a Palavra de Deus não dá espaço para alternativas à criação [bíblica] tais como uma criação progressiva, evolução teística, ou evolução naturalística. Não deveríamos nos envolver em especulações infrutíferas. Como ‘o povo do Livro’, nós temos uma oportunidade sagrada de apresentar toda a Bíblia, incluindo sua mensagem da criação, para um mundo que está desorientado quanto à grande questão de como começou a vida sobre a terra.”11

Nada a temer quanto ao futuro

Em nossa breve, mas esclarecedora viagem de volta aos anos de 1840, nós recapitulamos o surgimento de alguns dos maiores movimentos globais – marxismo, dispensacionalismo e evolucionismo – que desafiaram importantes verdades acerca de Deus nesses tempos finais. Além disso, deveríamos também ter examinado outros importantes eventos que ocorreram na mesma época, tais como o surgimento do espiritismo moderno, o início da religião Bahai no oriente e a emergência do existencialismo na Europa. Mas, a verdade nunca foi deixada sem seus defensores. Deus, em Sua graça e providência, sempre tem levantado um pequeno, mas corajoso, grupo de crentes na Bíblia para descobrir a verdade em sua plenitude e torná-la sua prioridade de missão global e testemunho. Não, 1844 e o surgimento do adventismo não são meros acidentes! São o plano de Deus para manter viva a chama da verdade em meio às trevas de engano que envolveram a história humana por volta da mesma época.

O ano de 1844 e sua grande importância não podem jamais ser minimizados ou esquecidos. O conselho de Ellen White é oportuno: “Ao recapitular a nossa história passada, havendo percorrido todos os passos de nosso progresso até ao nosso estado atual, posso dizer: Louvado seja Deus! Quando vejo o que Deus tem executado, encho-me de admiração e de confiança na liderança de Cristo. Nada temos que recear quanto ao futuro, a menos que esqueçamos a maneira em que o Senhor nos tem guiado, e os ensinos que nos ministrou no passado.”12

Ron du Preez (D.Min., Universidade Andrews; Th.D., Universidade do Sul da África) tem atuado como missionário e professor universitário, e atualmente serve como pastor na Associação de Michigan. Este artigo foi adaptado de seu livro No Fear for the Future, distribuído pela Review and Herald Publishing Association, Hagerstown, Maryland, EUA. Ele pode ser contatado pelo e-mail [email protected]


Evangelismo em S?o Domingos do Prata

Posted by Hermes on October 11, 2010 at 1:15 PM Comments comments (0)

Na manhã de sábado (09/10), membros do Veneza fizeram o culto divino, pesquisa de opinião pública e entrega de folhetos em São Domingos do Prata.


Na escola sabatina, dirigida por Geni, Ryhan leu a carta missionária  e Alexandre, Bruno e Breno dirigiram o estudo da lição.

Ryhan passando a carta missionária.

Breno, Alexandre e Bruno interagindo com a igreja.


A pesquisa de opinião pública e a entrega de folhetos ocorreu às 15:30. 30 pessoas entrevistadas pediram estudos bíblicos e dezenas de pessoas pediram Oração e/ou visita.

Foi realmente um impacto em São Domingos do Prata.


Veja abaixo o vídeo da música especial de sábado. Cantada pelo Alexandre, Eunice e Renata:

http://www.youtube.com/watch?v=CrE5V9p95oM

Acamp Jovem

Posted by Hermes on October 8, 2010 at 2:40 PM Comments comments (0)

 

MINISTÉRIO JOVEM AML

"Dispõe-te, resplandece, porque vem a tua luz, e a glória do Senhor nasce sobre ti. Porque eis que as trevas cobrem a terra, e a escuridão, os povos; mas sobre ti aparece resplendente o Senhor, e a sua glória se vê sobre ti". Isa. 60:1

Querido Diretor do Ministério Jovem,

É com muita alegria e satisfação que o Ministério Jovem da Associação Mineira Leste abre as inscrições para o Acamp Jovem da Associação Mineira Leste 2010.

Observe com atenção essas orientações:

Local: O evento será realizado no Catre em Guarapari – ES.

Data: 31 de outubro a 02 de novembro de 2010.

Abertura: 31 de outubro ás 08:00 da manhã.

Encerramento: 02 de novembro ás 20:00.

Orador: Pr. César Camacho – APL

Participações Especiais: Cânticos Vocal e outros!!!

O evento estará oferecendo:

· 09 refeições

· Alojamentos

· Estrutura

· Praia

· Programação Espiritual

· Programação Esportiva

· Jantar Romântico

· Celebração dos 10 anos da AML

Valor: Alojamentos – 6 x R$ 28,00 = R$ 168,00 - Cada alojamento tem capacidade para 10 participantes. Ao fazer a inscrição da sua caravana, procure passar o nome dos 10 participantes que desejam estarem juntos. Caso somente um participante da caravana queira ficar no alojamento, ele dividirá o espaço com mais 09 pessoas. Esse valor inclui alimentação e hospedagem. Lembre-se: só há 400 vagas para os alojamentos, que serão reservadas para os primeiros 400 inscritos. Depois só barracas!

Barracas – 6 x R$ 22,00 = R$ 132,00 – Cada participante deverá levar a sua barraca. O valor inclui alimentação e área de camping.

Obs: crianças até 5 anos não pagam a inscrição. De 6 à 10 anos, 60%, - barraca: R$ 80 alojamento – R$ 100.

O local estará aberto somente no domingo dia 31 a partir das 06:00 da manhã para receber os participantes. As Igrejas estarão a caminho do evento no sábado à noite após o Evangelismo do Pr. Luiz Gonçalves. Obs: Ônibus é por conta de cada caravana.

Inscrições: Devem ser realizadas na Associação Mineira Leste. As caravanas fora de Gov. Valadares, deverão realizar o depósito na conta da Associação e enviar o comprovante deste por fax. Os comprovantes originais deverão ser apresentados na chegada das caravanas. Após o envio do fax, o representante da caravana, deverá entrar em contato com o Ministério Jovem da Associação para confirmar o recebimento do mesmo. No fax é obrigatório o NOME do depositário e seu E-MAIL e TELEFONE para maiores informações.


Cientistas alertam para risco de epidemia global com 'superbact?ria'

Posted by Gaby on August 15, 2010 at 4:38 PM Comments comments (0)

Algumas infecções com bactérias com o gene NDM-1 não são tratáveis


Um novo tipo de bactéria resistente aos antibióticos mais poderosos pode gerar uma epidemia mundial, segundo estudo divulgado esta semana na publicação científica Lancet.

Essas bactérias contêm um gene chamado NDM-1, que as torna resistentes a antibióticos, entre eles os chamados de carbapenemas. Isso é preocupante porque os carbapenemas são geralmente usados para combater infecções graves, causadas por outras bactérias resistentes.

Os cientistas acreditam que esse gene, encontrado hoje principalmente na bactéria E.coli (que causa infecções urinárias), possa ser rapidamente reproduzido em outras bactérias.

Se isso acontecer, algumas infecções perigosas poderiam se espalhar, com poucas possibilidades de tratamento.


Índia e Paquistão

Cientistas na Grã-Bretanha acreditam que essas "superbactérias", que infectaram apenas 50 pessoas no país até agora, foram trazidas por pacientes que fizeram viagens à Índia e ao Paquistão.

Segundo o estudo publicado na Lancet, uma epidemia global de NDM-1 é "possível e assustadora".

A pesquisa foi feita por cientistas da universidade de Cardiff, no País de Gales, e da Agência de Proteção à Saúde da Grã-Bretanha (HPA, na sigla em inglês), em colaboração com pesquisadores internacionais.

Eles analisaram casos do NDM-1 até o ano de 2009 em diversos hospitais britânicos. Pelo menos 17 de 37 pacientes haviam viajado para Índia ou Paquistão no ano passado.

O Ministério da Saúde britânico já emitiu um alerta para que hospitais do país fiquem atentos a casos de infecção com essas bactérias.


'Assustadora'

Até agora, a maior parte das infecções com micróbios com o gene NDM-1 são passíveis de tratamento.

No entanto, pelo menos um tipo de infecção por NDM-1 estudado pelos cientistas até agora é resistente a todos os tipos de antibióticos disponíveis.

Infecções deste tipo já foram registradas nos Estados Unidos, no Canadá, na Austrália e na Holanda.

Para impedir que a NDM-1 se espalhe, os cientistas recomendam que se identifique e isole rapidamente pacientes diagnosticados com infecções do tipo.

Medidas normais para tratamento de infecções - como desinfetar equipamentos de hospitais e boa higiene por parte de médicos e enfermeiras - podem ajudar a impedir que as bactérias se espalhem. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.


fonte: www.estadao.com.br


 

 

O custo da convic??o

Posted by Hermes on August 13, 2010 at 6:10 PM Comments comments (0)

 

Há um bom tempo li um famoso livro chamado Em seus passos, o que faria Jesus?, de autoria de um pastor evangélico norte-americano chamado Charles Sheldon, falecido em 1946, considerada a nona obra literária mais vendida em toda a história. Recentemente, vi o filme produzido totalmente com base na obra e relembrei da temática abordada. Enfoca basicamente a possibilidade de pessoas cristãs comuns viverem em seu cotidiano a realidade de, antes de cada decisão, refletir sobre o que Jesus faria naquela circunstância.


Chamou-me a atenção o fato de uma proprietária de jornal recusar a publicação de notícias que não condiziam com seus princípios ou mesmo de um jovem músico que abriu mão de compor canções que afastariam os jovens de Deus.

Isso me levou a pensar seriamente no custo da convicção. Há um preço a ser pago em nome de princípios que são defendidos. Na história, quem acreditou em algo não passou incólume aos esforços de opositores para destruir sua firmeza. Poderíamos citar rapidamente os idealistas Galileu, Gandhi, Luther King Jr., entre tantos outros. Lutaram porque efetivamente criam em algo e deixaram indubitavelmente suas marcas nas gerações que se sucederam em diversas áreas do conhecimento e da relação humana. Mas sofreram também. Nem sempre o caminho da sua argumentação foi nivelado, sem percalços.


Ouvi um jovem profissional dizer que não perde uma oportunidade de testemunhar de sua fé. No dia de sua formatura, todos os colegas, sem exceção, sabiam que ele era adventista do sétimo dia e no que acreditava ou deixava de acreditar. Os riscos e implicações de ter atitude precisam ser bem avaliados, pois me parece que hoje muitos desejam estar convictos, mas será que entendem realmente o que é a convicção na prática?

Ao ver os exemplos da Bíblia, que é minha referência, consigo compreender um pouco mais acerca do que significa ter convicções e mantê-las em toda e qualquer situação. Além de Jesus, que morreu na convicção plena de salvar o mundo do pecado, outros momentos da narrativa bíblica me ajudam a pensar que poderíamos identificar ao menos três repercussões de se ter convicções, especialmente as que dizem respeito a princípios.


Convicção implica conhecimento acerca do que se crê – Faça um teste com um amigo. Pergunte a ele por que acredita em determinado dogma ou conceito filosófico. Você mesmo pode refletir acerca do que você sabe sobre suas próprias crenças. Vale a pena pensar no que está registrado no livro de I Pedro 3:15, onde é dito que “…Estai sempre preparados para responder com mansidão e temor a todo aquele que vos pedir a razão da esperança que há em vós”. Mudar de opinião não é errado, pelo contrário, demonstra humildade. Mas o importante é que se você, de fato, crê em determinado conjunto de doutrinas, por exemplo, que saiba o motivo de recomendá-las a outros.


Convicção implica nem sempre agradar a todos – Atualmente muitos são levados pelas ondas das teorias compartilhadas pela maioria. Ou seja, se o grande grupo decide algo, com ou sem consenso, então vamos seguir este tipo de ideia, mesmo que, no fundo, vá de encontro ao que pensamos. Cristãos baseados na Bíblia deveriam deixar claras que suas convicções têm origem e fundamentação naquilo que a Palavra de Deus revela, portanto nem sempre isso será agradável a todos. Claro que a maneira de se expressar deve ser a mais cordial, bondosa e amorável possível, mas sem perder o enfoque no conteúdo. Em situações que exigem tomada inevitável de decisão, a partir de princípios, talvez ser considerado um “não enquadrado” no grupo pode ser a consequência.


Convicção implica transmitir com intensidade a quem nos rodeia – Este é um ponto importante, porque quem é convicto de algo consegue “vender” este conceito com maior facilidade. Imagine um comerciante que não acredita no potencial dos produtos que oferece, um professor que desacreditou da relevância do aprendizado e do estudo ou qualquer outro profissional que não se convenceu do que faz. Convicção é algo muito real ao lermos textos como o de Atos 4:31 onde é dito, a respeito dos discípulos pós-Pentecoste, que “tendo eles orado, moveu-se o lugar em que estavam reunidos. E todos foram cheios do Espírito Santo e anunciavam com ousadia a palavra de Deus”.


Convicção, na verdade, pode ter íntima relação com outra palavra que é mais peculiar no meio religioso: conversão, ou seja, mudança de rumo. As duas ideias precisam andar unidas. Alguém convencido precisa necessariamente, em dado momento, converter-se e sentir que a mudança em sua vida não passa apenas pelo discurso, mas chega à prática. Se alguém tem dúvidas, leia sobre Jesus Cristo. Afinal de contas, é em seus passos que precisamos andar.


Felipe Lemos

Jornalista


Conquistando o Esposo n?o Crist?o para Cristo

Posted by Hermes on August 6, 2010 at 8:16 PM Comments comments (1)

 



O texto a seguir é parte das respostas dadas a algumas pessoas que tem pedido aconselhamento e oração . Como muita gente partilha dos mesmos problemas talvez os conselhos dados a elas sirvam para mais pessoas.

COMO UMA MULHER CRISTÃ PODE CONQUISTAR O ESPOSO NÃO CRISTÃO PARA CRISTO?

A palavra de Deus diz: “Porque o marido incrédulo é santificado no convívio da esposa…” 1 Corintios 7:14. Porém, o mesmo capítulo no verso 16 pergunta: “Pois, como sabes, ó mulher, se salvarás teu marido?” O que isso nos ensina é que a mulher cristã deve dar seu exemplo de vida dentro de casa. Essa história de que “santo de casa não faz milagre” é apenas para pessoas de mal testemunho. O problema é que “o santo de casa” não ouve o evangelho. Ele “VÊ” o evangelho em pessoa através daqueles que dizem ser cristãos.

Através do seu testemunho você pode aproximar e santificar seu marido ou pode afastá-lo ainda mais de Deus. Porém, o que vemos no texto acima é que mesmo dando bom testemunho é possível que o homem não se converta. Deus esbarra em algo chamado “livre arbítrio”. Seu marido é livre para escolher o caminho que quer seguir. Quanto mais você ora e mais dá bom testemunho mais Deus tem oportunidade de falar ao coração dele. Isso pode durar anos até que ele se converta. Já ouvi falar de mulheres que oraram por 30 anos ou mais. Contudo, seu marido pode simplesmente fechar o coração para o chamado divino e não aceitar a Cristo. Você terá que se conformar com isso também. A escolha terá sido dele, pois a salvação é individual. Algumas dicas para conquistar seu marido:

1 – Inclua o nome dele na lista de oração da igreja, do pequeno grupo, de grupos de oração;

2 – Faça seu culto familiar de forma que ele possa ver e ouvir o que está acontecendo. O que acontece é que muitas mulheres cristãs, esposas de maridos não cristãos, são muito acanhadas e sem ousadia espiritual e fazem o culto familiar escondidas e silenciosas como se tivessem algo de que se envergonhar. Faça o contrário! Coloque músicas evangélicas para que ele ouça, cante para que ele ouça, coloque DVDs de estudos bíblicos para que ele ouça mesmo estando em outro ambiente da casa, leia a Bíblia para que ele ouça. Dessa maneira o Espírito de Deus vai trabalhando na mente dele e a verdade vai entrando em seu coração, mesmo que no subconsciente;

3 – Não canse de convidá-lo para todos os bons eventos da igreja;

4 – Tenha atitudes amáveis e nenhuma recriminação. Quando ele estiver errado aprenda a se comunicar sem discussão. Se ele quiser discutir, seja você aquela que vai falar com brandura e amor. Jamais devolva crítica pra ele. Jamais altere a voz e se impaciente.

5 – Aprecie as coisas que ele faz. Elogie as conquistas dele. Fale do homem maravilhoso que ele é. Fale sobre isso também para os amigos dele e as pessoas da igreja. De alguma maneira ele vai saber que você o está elogiando para todas as pessoas mesmo quando ele não está por perto. Ele vai gostar.

6 – Não esqueça que ele é seu marido. Algumas ditas cristãs tem se dedicado tanto à obra do Senhor que tem esquecido suas famílias. lembre-se de que ele não é cristão. Não tem obrigação nenhuma para com a igreja. Não esqueça que seu primeiro campo missionário é o lar (claro que não deve deixar de trabalhar pra Jesus). Alguns maridos e filhos estão tão abandanos pelas mulheres cristãs que em vez de gostarem da igreja estão é nutrindo ódio por ela. Deixe a casa sempre arrumada, a comida pronta, as roupas passadas, os filhos atendidos para que ele não tenha nada do que reclamar em relação à sua religião

7 – Não ande como uma “extra-terrestre”. Algumas atitudes de mulheres cristãs são tão fora do senso comum que seus maridos repudiam uma religão com pensamento tão atrasado. Vista-se como cristã, mas não como uma mulher do anos de 1800. Não esqueça que a relação sexual dentro do casamento é plenamente abençoada por Deus. Exceto as distorções satânicas na maneira em que alguns marido têm exigido sexo das esposas, se seu marido pratica a relação sexual dentro da normalidade cristã, ele tem todo o direito sobre seu corpo e você sobre o dele, é o que diz a Bíblia.

No mais é confiar em Deus.


Como salvar seu casamento

Posted by Hermes on July 31, 2010 at 11:07 AM Comments comments (0)

 


A revista Época (17.O4.2010) publicou um excelente artigo de VAN MARTINS E KÁTIA MELLO sobre o desafio de manter um casamento. Interessante que mesmo com um numero grande de divórcios e recasamentos, a busca pelo par ideal, em que se possa ficar junto até o fim da vida, persiste como uma grande realidade. E que a maioria deseja uma única relação para sempre. Como fazer isso dar certo… Outra constatação interessante que os conceitos tradicionais sobre manutenção de relação ainda persistem em alta: conhecimento mútuo, dedicar tempo para a relação, fazer sexo, manter o amor companheiro, conversar com o outro e respeitar a individualidade. A seguir transcrevemos alguns trechos da reportagem.


O casamento. A boda. O matrimônio. O que essas palavras evocam são imagens tocantes e cenas de festa. Uma noiva sorrindo à beira de um lago, radiante em seu vestido branco de cetim que, embora ela não saiba, foi usado pela primeira vez pela rainha Vitória, da Inglaterra, em seu casamento com o príncipe Albert, em 1840. De lá para cá, as noivas no Ocidente vestem branco. E são rainhas por um dia.


Mas o casamento, a boda, o matrimônio – e mesmo a forma laica e informal de compromisso, a coabitação –, não se resume a uma festa. Depois da noite de núpcias, começa, para todos os casais, aquilo que o psiquiatra Alfredo Simonetti, ligado ao Hospital das Clínicas de São Paulo, descreve como “o sofrimento de viver a dois”: uma luta diária contra a natureza humana, que, ao mesmo tempo que atrai as pessoas para a vida conjugal, faz com que elas, rapidamente, se desapontem com as dificuldades do cotidiano a dois.

As estatísticas brasileiras são eloquentes a respeito tanto do fascínio quanto das agruras do casamento. Cerca de 1 milhão de pessoas se casam todos os anos no Brasil – e pouco mais de 250 mil se separam no mesmo período. Logo, de cada quatro casamentos, um termina em separação. Embora a estatística seja adversa, o risco não é suficiente para fazer as pessoas deixar de casar. Os números do IBGE mostram que a quantidade de uniões por 100 mil brasileiros aumenta um bocadinho a cada ano. Entre 1998 e 2008, o número de casamentos cresceu 34,8%, superando em 13 pontos porcentuais o crescimento vegetativo da população nessa faixa etária. Os divórcios e as separações, no mesmo período de dez anos, cresceram menos, 33%. A diferença é pouca, mínima na verdade, mas sugere que o sonho de casar está mais em alta que a vontade de se separar.


Há várias maneiras de olhar para essas estatísticas de casamento e separação. Uma delas é com otimismo: as pessoas se separam por que estão infelizes, e é bom que a lei facilite o afastamento. Antes de 2002, a separação judicial no Brasil, quando não era consensual, estava condicionada à comprovação de “culpa objetiva e específica” de uma das partes. Hoje em dia, qualquer motivo, mesmo fútil, é suficiente para que o juiz aceite a “impossibilidade de vida comum”. Os juízes entendem que, se uma das partes não quer, basta. Qualquer que seja a razão.


Outra forma de olhar para a mesma estatística é com alarme. Afinal, a cada casamento fracassado corresponde uma dose imensa de sofrimento humano. O divórcio, diz um estudo americano, só perde em termos de estresse para a morte de um cônjuge. É das piores experiências que as pessoas podem ter na vida. Para os filhos, a separação também é dolorosa. Cria períodos de terrível ansiedade. Quando se olha para além da família, a onda de separações tem como consequência social o empobrecimento das pessoas. Mães pobres que criam sozinhas seus filhos, como mostram pesquisas recentes, estão entre os poucos grupos sociais que não conseguiram se beneficiar da elevação geral da renda brasileira dos últimos anos. Parecem estar abaixo da possibilidade de ascensão.

As pesquisas sugerem que o sonho da maioria continua sendo um único casamento, que dure a vida inteira


Tudo isso seria mais ou menos irrelevante se homens e mulheres estivessem perfeitamente confortáveis com a ideia de casamentos seriais. Eles seriam intercalados por períodos miseráveis de separação e pelo êxtase da descoberta de uma nova parceira ou parceiro. Não é isso que a pessoas querem. Mesmo nos Estados Unidos, país que tem uma longa tradição de convívio com o divórcio, onde metade das uniões termina em separação (o dobro da taxa brasileira!), as pesquisas sugerem que o sonho da maioria continua sendo um único casamento longo e feliz, que abarque a existência, produza filhos e dê à vida de cada um dos cônjuges uma riqueza de sentido que ela não teria sozinha. As pessoas não se separam por ter superado essa aspiração romântica. Ao contrário, elas se afastam amarguradas por não conseguir atingir esse ideal. Em geral, quem faz isso é a mulher. Nos Estados Unidos, elas são responsáveis por dois terços dos pedidos de separação. No Brasil, essa proporção é ainda maior, 72%. Ao que tudo indica, para essas mulheres o sonho de felicidade no casamento não mudou. A realidade é que tem se revelado mesquinha.


Além do entretenimento de uma boa leitura, há no livro informações e ideias úteis para quem deseja iniciar ou preservar um casamento. A primeira coisa que ele atira pela janela é o romantismo. Casamento não é uma questão de paixão, afirma Gilbert. Bons casamentos não se ancoram numa erupção hormonal que desliga o senso crítico e faz do cérebro apaixonado algo parecido com o cérebro de um dependente químico (como está demonstrado por estudos de imagens de ressonância magnética!). Estatísticas americanas mostram que, quanto mais jovens as pessoas se casam, maior a chance de separação – e isso parece estar ligado à urgência e à instabilidade das paixões juvenis. Só depois dos 25 anos as estatísticas começam a ficar menos dramáticas. Tendo casado pela primeira vez aos 24 anos, depois de uma sequência de paixões avassaladoras, Gilbert parece saber do que está falando. Ela está separada desde 2002, mas ainda paga pensão mensal ao ex-marido, embora ele tenha se casado novamente, seja pai e vá lançar, em setembro, seu próprio livro de memórias, do qual se esperam grandes doses de veneno contra a ex-mulher e mantenedora. Ninguém com esse fardo biográfico é capaz de olhar para o casamento sem justificada má vontade.


Além da divisão das tarefas da casa, parece haver mais coisas a ser aprendidas com os casamentos sólidos – como a decisão de criar espaços exclusivos para o casal, que não incluam os filhos. Todos os especialistas dizem que isso é essencial para manter a chama do desejo e reforçar a sintonia. O comerciante Alexandre Cavalcante, de 36 anos, e a mulher Andréa Cristina, dona de casa, fazem assim: tiram duas semanas de férias por ano, sem as crianças. Eles têm Vanessa, de 16 anos, e Mateus, de 10. Vivem em Natal, no Rio Grande do Norte. “Em janeiro passado, nós dois fizemos um cruzeiro”, diz ele. O sucesso desse casamento é um desafio às estatísticas. A união começou com a gravidez de Andréa aos 18 anos e tinha tudo para acabar rápido. “Todos apostavam que não duraria seis meses”, diz Alexandre. Já dura 16 anos. Andréa, que agora tem 35, atribui isso ao fato de os dois conversarem muito. Ele acha que o essencial é a consciência de estar casado. “Casar é saber que não é só você”, afirma.


Outra ilusão que o livro se empenha em destruir é a completude. Não há um homem ou mulher, diz ela, que seja capaz de preencher a vida de cada um de nós. A pessoa que porá nosso mundo no lugar ou fará com que ele permaneça à deriva somos nós mesmos. O outro é um companheiro de viagem, não um pedaço de nosso corpo ou uma fração de nossa alma. Muito menos um guia. “Eu me recuso a sobrecarregar Felipe com a tremenda responsabilidade de me completar”, ela escreve. “Já lidei o suficiente com minhas falhas para saber que elas pertencem apenas a mim. Mas foi preciso mais de três décadas e meia para chegar a isso.”


Outra obsessão feminina à qual os maridos não costumam dar atenção é a intimidade. Para os homens, essa palavra tem uma conotação quase puramente física, enquanto no universo feminino intimidade significa um milhão de outras coisas. “Um nível profundo e psicológico de comunicação e reciprocidade”, por exemplo. Ou “um jeito de falar sobre si e de ser escutada pelo outro”. Ou, ainda, “um tipo de conversa especial, de entrega singular, de quem fala e de quem escuta”. Essa intimidade de atributos quase metafísicos, diz Mirian, está por trás de inúmeros pedidos de separação no Brasil. “A mulher casada há vários anos diz que não consegue mais ter intimidade com o marido”, afirma ela.


Virgílio Nascimento


Estudo do BID relaciona novelas a div?rcios no Brasil

Posted by Gaby on July 16, 2010 at 6:32 PM Comments comments (0)


Um estudo do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) sugere uma ligação entre as populares novelas da TV Globo e um aumento no número de divórcios no Brasil nas últimas décadas. Na pesquisa, foi feito um cruzamento de informações extraídas de censos nos anos 70, 80 e 90 e dados sobre a expansão do sinal da Globo – cujas novelas chegavam a 98% dos municípios do país na década de 90. Segundo os autores do estudo, Alberto Chong e Eliana La Ferrara, “a parcela de mulheres que se separaram ou se divorciaram aumenta significativamente depois que o sinal da Globo se torna disponível” nas cidades do país. Além disso, a pesquisa descobriu que esse efeito é mais forte em municípios menores, onde o sinal é captado por uma parcela mais alta da população local.

 

Os resultados sugerem que essas áreas apresentaram um aumento de 0,1 a 0,2 ponto percentual na porcentagem de mulheres de 15 a 49 anos que são divorciadas ou separadas. "O aumento é pequeno, mas estatisticamente significativo", afirmou Chong.

 

Os pesquisadores vão além e dizem que o impacto é comparável ao de um aumento em seis vezes no nível de instrução de uma mulher. A porcentagem de mulheres divorciadas cresce com a escolaridade.

 

O enredo das novelas frequentemente inclui críticas a valores tradicionais e, desde os anos 60, uma porcentagem significativa das personagens femininas não reflete os papéis tradicionais de comportamento reservados às mulheres na sociedade.

 

Foram analisadas 115 novelas transmitidas pela Globo entre 1965 e 1999. Nelas, 62% das principais personagens femininas não tinham filhos e 26% eram infiéis a seus parceiros.

 

Nas últimas décadas, a taxa de divórcios aumentou muito no Brasil, apesar do estigma associado às separações. Isso, segundo os pesquisadores, torna o país um “caso interessante de estudo”.

 

Segundo dados divulgados pela ONU, os divórcios pularam de 3,3 para cada 100 casamentos em 1984 para 17,7 em 2002.

 

“A exposição a estilos de vida modernos mostrados na TV, a funções desempenhadas por mulheres emancipadas e a uma crítica aos valores tradicionais mostrou estar associada aos aumentos nas frações de mulheres separadas e divorciadas nas áreas municipais brasileiras”, diz a pesquisa.

 


(BBC Brasil)

Fonte: Criacionismo

 


Fim do dilema: a galinha veio primeiro

Posted by Gaby on July 16, 2010 at 6:25 PM Comments comments (0)

Quem nasceu primeiro: o ovo ou a galinha? A dúvida que serve de inspiração para comerciais e brincadeiras até hoje está perto de ser esclarecida. Pelo menos é o que dizem os cientistas da Universidade de Sheffield e Warwich. Conclusões passadas davam conta de que seria o ovo, graças a evolução em que dois animais semelhantes (sem ser galinhas) teriam cruzado e originado um ovo que se tornaria a primeira galinha. No entanto, uma nova descoberta aponta que a galinha veio primeiro. Segundo os cientistas a formação da casca do ovo depende de uma proteína que só é encontrada nos ovários desse tipo de ave. Portanto, o ovo só existiu depois que surgiu a primeira galinha. A proteína – chamada ovocledidin-17 (OC-17) – atua como catalisador para acelerar o desenvolvimento da casca. A sua estrutura rígida é necessária para abrigar a gema e seus fluidos de proteção enquanto o filhote se desenvolve lá dentro. A descoberta foi revelada no documento “Structural Control of Crystak Nuclei by Eggshell Protein” – em tradução livre: Controle Estrutural de Núcleo de Cristais pela Proteína da casca do ovo.

 

Na pesquisa foi utilizado um supercomputador para visualizar de forma ampliada a formação de um ovo. A máquina, chamada de HECToR, revelou que a OC-17 é fundamental no início da formação da casca. Essa proteína é quem transforma o carbonato de cálcio em cristais de calcita, que compõem a casa do ovo. Dr. Colin Freeman, do Departamento de Engenharia Material da Universidade de Sheffield, constatou: “Há muito tempo se suspeita que o ovo veio primeiro, mas agora temos a prova científica de que, na verdade, a galinha foi a percussora.”

 

Para o professor John Harding, o estudo poderá servir como base para outras pesquisas. “Entender como funciona a produção da casca de ovo é interessante, mas também pode ser pista para a concepção de novos materiais e processos”, disse ele. “A cada dia a natureza [leia-se Deus] nos mostra suas solução inovadoras para todo o tipo de problema que ela encontra. Isso só comprova que podemos aprender muito com ela”, finalizou o professor.

 


(O Dia)

 


Nota: Com todo respeito, me divirto quando vejo certezas darwinistas caírem por terra. Na verdade, é assim que a ciência deve caminhar, mas a teimosia ferrenha com que certos naturalistas defendem suas crenças é um tanto temerária justamente por causa das "revoluções científicas" (Kuhn) que frequentemente lançam por terra paradigmas darwinistas incorretos. Queria ver a expressão no rosto de alguns darwinistas com quem debati tantas vezes esse assunto. Mais: se o ovo depende de uma proteína específica para se formar (deixemos a discussão sobre a complexidade do próprio ovo para outra ocasião), como o primeiro ovo teria se formado no interior da ave? Ponto para a tese da complexidade irredutível. Quanto ao fato de a galinha ter sido criada primeiro, disso os criacionistas já sabiam faz tempo.[MB] 

 


Fonte: Criacionismo

Homens tamb?m ficam gr?vidos

Posted by Gaby on July 16, 2010 at 6:23 PM Comments comments (0)


Homens, apesar de não passarem pelo processo de gestação, ficam “grávidos” – sua forma de agir e seu psicológico muda por causa da espera e da chegada do bebê. No ano passado, pesquisas indicaram que o “hormônio do amor e do carinho”, a oxitocina, fica em maiores níveis nos homens que vão ser papais [design inteligente]. E esse hormônio também indica o comportamento dos homens em relação aos filhos: quanto mais oxitocina no organismo, mais eles brincam e passam tempo com o bebê. Mas o aumento da oxitocina não é a única mudança hormonal que acontece nos pais. Os níveis de testosterona, o hormônio masculino, caem – de acordo com especialistas isso acontece para que eles se concentrem em suas famílias [design inteligente]. Testes provaram que homens com mais testosterona dão menos atenção aos seus filhos.

O hormônio prolactina, conhecido por aumentar nas mulheres no período de amamentação, também fica mais presente no organismo masculino após o nascimento de uma criança. Homens com maiores níveis de prolactina ficam mais alertas aos seus filhos e mais responsáveis na criação dos bebês.

Essas são as mudanças hormonais normais em homens. Existe um diagnóstico controverso chamado “síndrome de Couvade” no qual o homem ganha peso, têm insônia, dores de estômago e até mesmo enjôos matinais.


(Hypescience)


Infidelidade no Casamento: O Papel do Perd?o

Posted by Hermes on July 16, 2010 at 3:35 PM Comments comments (0)

 

Uma das dores emocionais mais devastadoras é a de ter sido traído pelo cônjuge. Isto porque quando se casa por amor o vínculo afetivo formado ao longo do namoro, noivado e casamento é muito forte e o nível de confiança depositado no cônjuge passa a ser um dos mais profundos nas relações humanas. Quando ocorre a infidelidade, quebra-se muita coisa e o perdão se faz necessário em algum momento no futuro. Vamos pensar sobre isto.

Qualquer pessoa, religiosa ou não, está sujeita à paixões afetivas. Quando ela é religiosa, o compromisso de fidelidade é assumido não só para com o cônjuge, mas para com Deus também. Ocorrendo adultério, além da quebra da fidelidade com o companheiro(a), ocorre também a quebra do relacionamento com Deus. Claudia Bruscagin, psicoterapeuta familiar, com doutorado em Psicologia Clínica pela PUC-SP e professora no Curso de Especialização em Terapia Familiar e de Casal do Núcleo de Família e Comunidade da PUC-SP, diz, no livro “Religiosidade e Psicoterapia”, Editora Roca, p.59 e 60, 2008: “No contexto religioso, a infidelidade parece denunciar uma falta de compromisso não somente com o casamento, mas também com Deus, com a religião e seus preceitos. Para o casal religioso, a reconstrução do relacionamento após um caso de infidelidade exige que não somente a dinâmica da relação seja revista, mas também a interação de cada um dos membros do casal com Deus, pois o perdão de Deus é tão importante quanto o perdão do cônjuge traído.”


Cada cônjuge tem um papel quanto ao perdão ao ocorrer a infidelidade. O do traído é oferecer o perdão, o do traidor é buscá-lo. Claudia comenta: “Ambos devem avaliar seu relacionamento e restaurar a relação, mudando o que erraram e acima de tudo perdoando verdadeiramente.”


Mas o que é o perdão verdadeiro? Depende dos sentimentos? Depende de esquecer o fato?

É muito importante entender que o perdão cura a pessoa que perdoa. Viver ressentido é viver com a dor agarrada em você. A palavra “ressentimento” significa “re-sentir”, ou seja, sentir de novo. O perdão interrompe sentir a dor contínua. Quando você perdoa, a dor vai embora e você se sente melhor, mesmo que o perdão não possa produzir o restabelecimento do relacionamento interrompido pela quebra da fidelidade e confiabilidade na vida do casal.


Claudia cita M. Pereyra, doutor em Psicologia (Argentina), autor de um livro sobre o perdão: “A única forma de curar a dor que não se cura por si mesma é o perdão à pessoa que o magoou. O perdão cura a memória ao trabalhar a mudança de pensamentos. Aquele que vive remoendo sua dor pode ser mais prisioneiro que o agressor e, ao perdoar, liberta-se da prisão.” (p.60)


Ainda citando Pereyra: “… perdoar não é passar por cima dos próprios sentimentos, ou simplesmente ‘dar a outra face’. É um processo longo e dolorido, pois é um ato voluntário de renúncia ao direito legítimo de estar ressentido, de julgar negativamente o ofensor ou agressor e demonstrar uma atitude de compaixão e generosidade para com ele, apesar de não merecer. Perdoar não é a negação dos sentimentos de mágoa, ira e rancor. É reconhecer os sentimentos e então escolher não agir por eles. Também significa que os maus sentimentos podem voltar e que talvez seja preciso perdoar mais de uma vez.” (p.60,61)


Diz-se que quem perdoa, esquece. Na verdade, quem perdoa genuinamente, primeiro lembra, analisa, desabafa a dor, depois trabalha para esquecer por decisão consciente de fazer isto.

Perdoar não é desculpar o erro da pessoa. Claudia explica: “A desculpa ocorre quando há a compreensão de que a pessoa não é culpada pelo que fez.” Você não desculpa no sentido de tirar a culpa, porque ela é real. Procura perdoar escolhendo fazer isto independente do sentimento porque “o perdão não é um sentimento, é uma escolha.” Escolha de não cultivar a mágoa contra a pessoa que machucou você. (p.61)


Há ritmo e estágios diferentes para cada um viver o processo de perdoar. Se alguém der um sôco no seu rosto, produzirá uma marca visível na pele. Pode sangrar, fica roxo, inchado, etc. e a cura desta pancada demora um tempo, se você perdoou o agressor ou não. Algo parecido ocorre no processo de cura da dor da “pancada” da traição. Claudia fala de estágios para se alcançar o perdão: mágoa, rancor, cura e reconciliação. O primeiro passo é reconhecer os sentimentos e assumi-los. Ela afirma que na fase de reconciliação em casos de infidelidade (ou outros) é importante que o cônjuge que traiu, se quiser seguir na reconciliação: (1)Aceite sua responsabilidade pelo ocorrido; (2)expresse sincero pesar e arrependimento; (3)de alguma forma ofereça compensação conveniente; (4)prometa não repetir a conduta, e (5)peça perdão. (p.61)


Ela conclui: “Na reconciliação, quando possível, o ofendido convida a pessoa que o machucou de volta para sua vida. Se o outro vem honestamente, o amor pode atuar e juntos podem desenvolver um novo relacionamento. Esse estágio depende tanto da pessoa a ser perdoada quanto da que perdoa; às vezes a pessoa não volta e é preciso se curar sozinho.” (p.61)


Dr. Cesar Vasconcellos de Souza


Prote??o contra a infidelidade no casamento

Posted by Hermes on July 14, 2010 at 2:23 PM Comments comments (0)

 

 

v_6

O relacionamento humano é uma das maiores fontes de emoção para homens e mulheres, crianças ou adultos. Emoções que fluem como um raio indo do Ocidente para o Oriente. Emoções que vão das alturas do pico do Himalaia às profundezas do triângulo das Bermudas. Que vão do céu ao inferno numa fração de segundos. As relações podem ser fontes de satisfação ou de insatisfação, de alegria ou de tristeza, de prazer ou de dor. As interações humanas provocam amor e ódio, generosidade e avareza, esperança e desespero, sorrisos e lágrimas. Emoções consideradas positivas, quando despertam sentimentos afirmativos e seguros. Emoções consideradas negativas, quando os sentimentos despertados são maléficos e destrutivos.

Esta classificação não implica na sugestão de que não se deve sentir os sentimentos negativos. Pelo contrário. Para a experiência humana eles são vitais. Graças a eles somos motivados a nos afastar de tudo que nos faz mal a curto e em longo prazo. Eles são fontes de informações que indicam tudo aquilo que deve ser evitado, sanado, mudado e reorientado para se ter uma vida de menos sofrimento, angústia e solidão. O sentimento chama a atenção, desperta aquele que sente e sabe o que sente, para as escolhas de alternativas de uma vida mais saudável. Não se pode correr o risco de descartar, ignorar, ou diminuir a dimensão de sua importância. Correr esse risco é expor-se ao perigo de uma vida de insensibilidade e morbidez.

Em termos de emoções negativas dentro dos relacionamentos, quer seja na amizade ou no casamento, não há outro comportamento mais catastrófico do que a traição. A infidelidade. A deslealdade. A prevaricação. Quando um amigo ou cônjuge é traído ele passa por uma avalanche de emoções. Ele entra num furacão de sentimentos. Ele se esgota de lágrimas. Quando a pessoa descreve o que sente usa todo tipo de metáforas para se fazer entendida. Por mais que consiga se explicar, nunca acha que conseguiu expressar o que vai pela sua alma. Ela se sente absolutamente só no mundo. Ela se sente perdida dentro de uma confusão infernal. Infernal porque ela se sente em brasas, queimada viva. A raiva desperta nela uma enxurrada de adrenalina para atacar um inimigo invisível, indefinível, pelo menos no momento da descoberta da traição. A sensação de vazio, de massacre, de impotência, de abandono, deixa a pessoa em um estado de choque por algum tempo. A dor é tão grande que para sobreviver e suportar o sofrimento ela tem de negar. Ela tem de recusar a perceber a realidade. Ela recusa ver a verdade.

Passado o choque inicial ela entra em contato com a perda. Nem sempre a perda da pessoa, mas a perda da confiança. O contrato foi quebrado. O sonho de felicidade virou pesadelo de sofrimento. As promessas de união não foram cumpridas. A raiva vai dando lugar à dor e a tristeza. Junto vai a certeza de que confiança nunca mais existirá. O traído promete que nunca mais vai acreditar em ninguém. Ela está certa porque com o coração partido não pode sonhar. Muito menos fazer planos para o futuro. No estado de humilhação em que se encontra, com perda total de sua auto-estima e valor pessoal, a pessoa só pode dar-se um tempo para lamber as feridas. Sem cobrança, sem julgamento, sem autocondenação e, muito menos, auto-flagelação. Numa condição de fracasso em que se encontra, o melhor é dar um tempo para esperar as emoções se definirem e se respeitar.

Por se sentir humilhada, fracassada, desvalorizada, está num estado de influência muito grande à opinião alheia. Não falta palpite quanto às causas que levaram à traição, tanto quanto, quais são os passos para resolver a situação. É melhor ter cautela. Ir devagar, considerando sempre que quem está com o problema é quem foi traído. Diante da confusão emocional e mental, qualquer opção permanente é perigosa.

As primeiras respostas vêm do estado emocional em que se encontra. Rompe, impulsivamente, o desejo de trair para se vingar. Este é um caminho tortuoso para que se enverede por ele. Porque em vez de curar a ferida pode fazê-la sangrar mais. Se há uma coisa que o que está ferido não precisa é de se machucar mais. Surge a atribuição da culpa ao rival e não ao cônjuge traidor para se aliviar a dor. É uma tentativa de inocentar o culpado para não se sentir rejeitado demais. Brota um ciúme insuportável do rival com as mais exóticas manifestações e provoca um desejo de competição sem fim. Então fluem preocupações de cuidados pessoais exagerados. Quer seja na academia ou no trabalho. Nas compras ou nas cirurgias plásticas, na aparência ou nas dietas. Mas nada disso resolve a dor com rapidez. Leva tempo para que as coisas se acalmem.

Não adianta também ficar preocupado com as soluções se vai ou não separar, se vai ou não perdoar, se vai ou não ficar junto. Não adianta indagar sobre o que fazer com os filhos, como enfrentar os amigos e parentes, como resolver a pensão ou que trabalho procurar. Querer resolver vários problemas, ao mesmo tempo, significa não conseguir solucionar nenhum. Pior ainda, porque aumentam o sofrimento e a angústia de quem já está padecendo com o trauma da traição. É preciso saber esperar, ter paciência e resolver primeiro o estado emocional em que se encontra no caso de morte ou traição. Perdas difíceis de suportar. A pessoa não deveria tomar nenhuma decisão permanente, pelo menos, por um mês. Deve dar um tempo para colocar a cabeça no lugar. Qualquer decisão pode resultar em arrependimento futuro.

Se há tanto sofrimento assim na traição, por que as pessoas a praticam? Há todo tipo de justificativa dada por quem se envolve nesse comportamento. Alguns sugerem insatisfação sexual, incompreensão, falta de afeto, conflitos pessoais. Para outros pode ser curiosidade, vício, o desejo de emoção, amor que acabou. Pelo menos é o que a pessoa envolvida na traição fala. Entretanto, pode haver razões mais profundas como a incapacidade de se apegar ao parceiro, à falta da entrega, o não comprometimento com o outro, o pouco investimento feito no cuidado do outro. A pessoa não descobre que quanto mais se cuida, mais cresce o amor. Aliás, amar é cuidar e cuidar é amar. Para quem cuida o amor nunca acaba. Se duvida, é só experimentar!

Não se pode deixar de lado como fator contribuinte para a traição a imaturidade emocional. Uma imaturidade que mantém a pessoa numa eterna curiosidade infantil por meio da qual ela vive numa fantasia insaciável, buscando um amor romântico num eterno “foram felizes para sempre”. Esta fantasia, esta busca ilusória torna-a inapta para viver como um ser humano real, de carne e osso. O sonho dessa pessoa é uma boneca (o) que não tem vontade e que satisfaz todas as suas necessidades. São pessoas que facilmente se tornam sedutoras, sempre conquistando, o homem para provar a sua masculinidade e a mulher, a sua beleza e desejabilidade.

Não se pode deixar de lado que traição é uma escolha e como tal é uma decisão pessoal. Começa como um jogo e acaba com um coração apunhalado. Pode se dar todo tipo de desculpas e até culpar a tentação. Mas não deixa de ser uma escolha que do começo até o fim tem várias etapas que precisam ser conscientemente vencidas. Vai desde o sorriso até a lágrima. Inicialmente só dois dão risadinhas. No fim muitos choram.

Para não se envolver com a infidelidade, a traição, e passar pela dor de descobrir se é verdade ou não, tente se proteger tomando algumas medidas profiláticas, preventivas. É com medidas construtivas em favor de seu cônjuge que a pessoa se realiza como ser humano. Nada mais restaurador que a alegria contagiante de um coração carente sendo afagado. É uma alegria que espirra de volta para aquele que afagou. Quem faz é quem recebe. A proteção exige iniciativa e esforço. Quanto mais objetivo e direcionado o esforço, mais rico o resultado.

Objetivamente para se proteger contra a traição, a pessoa precisa querer não trair. Querer do fundo do coração fazer a opção pela fidelidade. Se a pessoa faz uma opção a outra some ou pelo menos deve sumir. Claro que uma relação começa por atração pelo parceiro. Sem a atração fica difícil querer construir uma relação duradoura. Uma vez que se queira e se sinta atraído, a relação começa a se formar. Ela só vai ser mantida se as necessidades pessoais forem mutuamente satisfeitas. Daí não há necessidade de buscar aventuras ou excitações fora da relação.

A relação será mantida e a traição evitada quando se cria a intimidade. A busca da aproximação. Não é grudação. É um abrir-se contínuo e lento para o outro. É deixar que o outro vá, aos poucos, se apropriando do seu eu. É permitir que o outro vá percebendo as coisas escondidas nas profundezas de sua alma. Na medida em que ele não julgue, não condene, não critique. É um processo mútuo de abertura, de descortinar o significado da própria vida para o outro. É a compreensão mútua das fraquezas e defeitos, sem piorá-los com sarcasmo ou gozação.

Para se ter intimidade é importante o comprometimento, que nada mais é do que a decisão firme, a escolha consciente de dedicação exclusiva à pessoa escolhida para se relacionar. Envidar todos os esforços para o sucesso da relação.

Aceitar o outro como é, como despertou sua atração, sem querer passá-lo por uma transformação para convertê-lo na sua própria imagem. Só pode haver espontaneidade quando se é permitido ser o que se é.

Perceber a perspectiva do outro. Perceber que ele tem os mesmos anseios de felicidade, as mesmas necessidades. Perceber que ele sofre e tem prazer como você.

Buscar um apego cada vez maior. Principalmente se for homem porque tem que se apegar. Para ser feliz é preciso alguma forma de apego. Sem ter vergonha de se entregar.

Doar-se sem cobranças. Tomar a iniciativa na doação. É um investimento total com a certeza dos dividendos. Não é um jogo. É uma entrega.

Aprender a cuidar é prática. É ação. É a parte ativa do amor. É a nutrição do amor. O amor só acaba para quem não cuida, não investe, não apega, não percebe o outro.

Mais três coisas importantes: a compreensão, o apoio e o respeito.

Ao cultivar a prevenção contra a traição, você estará impedindo de destruir corações evitando derramar lágrimas e, até, retardando a morte. Será que vale a pena? Por que não tentar?!

Dr. Belisário Marques


Servindo uns aos outros

Posted by Hermes on June 26, 2010 at 3:18 PM Comments comments (0)

Jesus viveu neste mundo para servir. Desde os primeiros dias de Seu ministério até o fim, Ele esteve a serviço da humanidade. De fato, de acordo com a Bíblia, ainda hoje, Ele está nos servindo (Hb 2:17, 18).

6. Cada um de nós foi criado com dons espirituais específicos para o serviço. Quais são os vários dons e serviços espirituais contidos nos versos a seguir?

a. Rm 12:4-8

b. 1Co 12:1-5

c. Ef 4:8-11

Como seres humanos, vimos que fomos criados para amar os outros, como Jesus amou. E quando fazemos isso, beneficiamos não apenas os outros. Beneficiamos também a nós mesmos.

Pense por um momento como você se sente bem quando ajuda as outras pessoas, quando dá abnegadamente de si mesmo sem a intenção de obter qualquer coisa em troca. Algo dentro de nós é tocado. Existe uma sensação de bem-estar; temos uma satisfação que, realmente, não se compara a nada neste mundo. E isso ocorre porque, dando de nós mesmos, estamos vivendo como fomos criados para viver. Estamos fazendo o que fomos criados originalmente para fazer.

Como vimos, uma perspectiva mental positiva da vida também pode ter efeito positivo sobre nós sob o aspecto físico.

Nosso corpo reage melhor quando nos sentimos em estado positivo, felizes e realizados. Portanto, não devemos nos admirar de que estudos científicos mostrem benefícios médicos de fazer o bem aos outros. Faz perfeito sentido: quando ajudamos os outros, nós mesmos nos sentimos melhor e, quando nos sentimos melhor, nosso físico também é melhorado. Que combinação perfeita!


Rss_feed

Pesquisar no site:

Comunidades

CLIQUE AQUI

 CLIQUE AQUI

 CLIQUE AQUI

Receba as Ultimas Noticias do blog

Digite seu email:

Delivered by FeedBurner

Formulario de Pedidos

Google Translator

-

Destaque

 

 

Radio Novo Tempo

TV NOVO TEMPO

LINKS UTEIS


CLIQUE AQUICLIQUE AQUICLIQUE AQUICLIQUE AQUICLIQUE AQUI

 

 

 

 

 

Banner do site:

CLIQUE AQUI